sexta-feira, 31 de agosto de 2012

PERDOAR NÃO É ESQUECER, É LEMBRAR SEM SOFRER

A maioria do terreno que satanás ganha na vida das pessoas deve-se a falta de perdão. A bíblia nos alerta a perdoar para que o maligno não tire vantagem de nós. Deus  exige que perdoemos de coração ao  outro ... Estávamos longe e éramos rebeldes para com Deus e Ele não nos eu o que merecíamos, nos deu o que precisávamos. Sua misericórdia! Jesus  morreu na cruz para que tivéssemos acesso ao perdão. Assim também devemos ser misericordiosos e perdoar os outros. Certa vez fomos roubamos e ficamos muito tristes, nós morávamos dentro de um Motor Home o deixamos em uma comunidade e saímos na moto para ministrar em uma igreja em outro município. No meio da programação fomos comunicados que nosso Motor Home tinha sido violado justamente numa comunidade onde estávamos realizando um trabalho social.
Ao nos deparar com a cena bateu um misto de tristeza e raiva, os vidros quebrados, e ao adentramos o carro vimos que vários objetos como TV, aparelho de DVD, computador e outros de valor pessoal inestimável haviam sido levados. O que fazer?
A polícia veio ao local fortemente armada e fizemos BO, ficamos aquela noite acordamos ali...  Dias depois outro policial nos visitou nos inquirindo se sabíamos quem havia nos roubado, desejava que se soubéssemos lhe desse o nome, apenas o nome. Dias depois realmente soubemos de quem se tratava. E meu esposo disse: eu podia ligar e entregar ele agora! Veio ao meu coração às seguintes palavras: Jesus nos perdoou de todos os pecados e porque não podemos perdoar essa criatura perdida, o que acontecerá com ele se o entregarmos? Não sabíamos a resposta, mas podiam prendê-lo, talvez matá-lo... Meu esposo caiu em si e disse é verdade. Nós sempre dissemos a Deus que nossa vida era d`Ele, nossas coisas eram d`Ele, então você tem razão. Se Deus permitiu que isso acontecesse é porque tem um propósito. Deus estava nos ensinado a lição do perdão.

 Não gostamos da palavra perdão porque implica ir contra nosso conceito de justiça, Deus ordena para não nos vingar, e pensamos porque deixá-los ir sem pagar?
Muitas pessoas sofreram maus tratos, abusos e estão presas ao passado porque não conseguem perdoar seus algozes. Eles talvez nem se lembrem do mal que causaram a elas, nos entanto elas continuam a sofrer com lembranças do ocorrido. Ter a atitude obedecer a Deus e perdoar quem nos tem ofendido, fará bem a você, vai retirar das suas costas um imenso fardo.
Perdoar não é esquecer, é lembrar sem sofrer!
C.S Lewis o famoso escritor das Crônicas de Nárnia, disse certa vez: Todos acham o perdão um idéia maravilhosa, até que tenham alguém para perdoar.

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

RELEMBRAR É VIVER

 Quem vai a Londres nas asas da lógica não precisa de avião
Por Reinaldo Azevedo do Blog do Reinaldo Azevedo 
Lembram-se das arruaças ocorridas em Londres e em outras cidades da Inglaterra  em 2011? Escrevi alguns textos a respeito sem sair do meu escritório. Pra quê? Há certos lugares a que só se chega nas asas da lógica e de alguma bibliografia. Abaixo, vai um trecho de um post que escrevi no dia 12 de agosto e que sintetiza a minha opinião sobre aqueles eventos. Leiam. Volto depois para explicar por que faço essa sugestão.
A canalha é igual em toda parte: em Paris, Londres, São Paulo, Rio… A esta altura, já está mais do que claro o que se deu na Inglaterra. Não há crise econômica que justifique o que se viu lá. Havia gente de todo tipo nos saques: ricos, classe média e, claro!, muitos estado-dependentes, que vivem da “generosidade” do sistema. Sem precisar lutar para ter uma moradia – o estado fornece – ou o bastante para se alimentar, o vagabundo sai metendo fogo no que encontra pela frente. Não foi diferente em 2005, em Paris. Os “jovens rebeldes” da periferia, que enchiam certos intelectuais de excitação revolucionária, tinham e têm casa, comida e roupa lavada doadas pelo estado.(…)
Os “estado-dependentes” – gente sustentada pelo estado, brutalizada pela assistência social – sempre exercem papel importante nesses distúrbios. Alimente um desocupado, dê-lhe moradia, escola e financie seu vício, e ele fatalmente escarrará na boca que o beija. A violência só tomou aquela proporção em Londres, circunstancialmente, porque o estado demorou para reagir – faltaram Locke como teoria e Hobbes como prática. A razão de fundo, no entanto, é outra: o estado bonzinho não dá a esses caras outra alternativa à medida que lhes tira a obrigação e o direito de lutar pelo próprio sustento. Só lhes resta apedrejar a mão que os afaga. Corte-se-lhes a papinha, e veremos como se amansa. 
Voltei
Muito bem! A VEJA desta semana publica uma excelente entrevista com o filósofo inglês Roger Scruton, feita por Gabriela Carelli. Leiam um trecho.

O filósofo inglês Roger Scruton, de 67 anos, é presença constante nos debates realizados em seu país quando é preciso ter na mesa um pensador independente e corajoso. Autor de 42 livros de ensaios, Scruton é uma pedra no sapato da ideologia politicamente correta que predomina bovinamente na Europa. Multiculturalismo? Um desastre. A arte moderna? Detestável, e por aí vai o filósofo, que lecionou nas universidades de Oxford, na Inglaterra, e Boston, nos Estados Unidos, e atraiu para si o cognome de “defensor do indefensável”. Um dos fundadores do Conservative Action Group, que ajudou a eleger a primeira-ministra Margaret Thatcher. Scruton publicou recentemente um novo livro, “As Vantagens do Pessimismo”, ainda sem previsão de lançamento no Brasil.
VEJA – Um bom número de intelectuais ingleses interpretou a onda de vandalismo em Londres e arredores como atos de jovens niilistas sem maiores repercussões. O senhor concorda?
Scruton - Acho essa explicação muito simplista. Muitos desses desordeiros são realmente niilistas, que não acreditam em nada e não se identificam com nenhuma instituição, crença ou tradição capaz de fazer florescer em cada um deles o senso de responsabilidade e o respeito pelo próximo. Alguns não têm emprego. Mas, na maior parte dos casos, eles agiram por uma escolha deliberada. Desemprego e niilismo sempre existiram. Ninguém mencionou como uma das causas da baderna a deformação causada nesses jovens pelas políticas do estado do bem-estar social. Diversos estudos mostram com clareza a vinculação desses programas assistencialistas com a proliferação de uma classe baixa ressentida, raivosa e dependente. Não quero ser leviano e culpar apenas as políticas socialistas pelos tumultos. As pessoas promovem arruaças por inúmeras razões. Entre os jovens, a revolta é uma condição inerente, um padrão de comportamento. Mas é preciso um pouco mais de honestidade intelectual para buscar uma resposta mais concreta sobre o que ocorreu em Londres. Por debaixo do verniz civilizatório, todo homem tem dentro de si um animal à espreita. Infelizmente, se esse verniz for arrancado, o animal vai mostrar a sua cara. A promessa de concessão de direitos sem a obrigatoriedade de deveres e de recompensas sem méritos foi o que arrancou o verniz nessa recente eclosão de episódios de vandalismo na Inglaterra.
VEJA – Os distúrbios em Londres e os protestos no Cairo, em Atenas, em Madri e em Tel-Aviv são um mesmo “grito dos excluídos”?
Scruton - Sou cético em relação à ideia de que os protestos que eclodiram em diversos pontos do mundo têm a ver com exclusão, com o suposto aumento no número de pobres ou com concentração de renda. Os baderneiros de Londres são, pelos padrões do século XVIII, ricos. Desculpe-me, mas é resultado de exclusão depredar uma cidade porque você tem só um carro, um apartamento pequeno pelo qual não pagar aluguel, recebe mesada do governo sem ter de fazer nada para embolsá-la, compra três cervejas, mas gostaria de beber quatro, e acha que ter apenas um televisor em casa é pouco? Não. Ver exclusão nesses episódios só faz sentido na cabeça de um professor de sociologia. É um absurdo também comparar os tumultos de Londres com os eventos no Oriente Médio. Os jovens do Egito exigiam algo do governo. Os jovens ingleses não dão a mínima para o governo ou para as instituições. (…)
Leia a íntegra da entrevista na edição impressa da revista. Vale a pena.
Por Reinaldo Azevedo do Blog do Reinaldo Azevedo - 18/09/2011 às 6:43

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

RESUMO DE ATIVIDADES DO MÊS DE JULHO

No mês de julho de 2012 tivemos a oportunidade de estar em São Paulo em atividades da ONG Pão é Vida e ministrando nas igrejas parceiras lá e no Rio Grande do sul. 
O balanço que fazemos da  nossa ida ao Sul do país é positivo, pois proporcionou firmar novas parcerias e possibilitou rever a família, irmãos e amigos que a longo desse período nos apoiam. O trabalho de Missões e Ação social que realizamos no Sertão Nordestino nesses anos tem sido possível graças a esses parceiros, aos quais agradecemos de todo coração.
Na verdade esse período seriam as nossas férias, no entanto, separamos uma parte desse período para estar com nossos parceiros ministeriais. Conhecemos a PIB de Santo André, onde participamos de um café com pastores a convite do Pr. Edison Queiroz.
                         DE VOLTA AO SERTÃO...

Dia 18 e 19 de julho de 2012 uma equipe composta por 28 pessoas (adolescentes e adultos da Igreja Vale central) estiveram visitando a Base operacional da ONG Pão é Vida no Sertão do Moxotó, onde está em curso um projeto piloto de agricultura familiar irrigada. 
Realizamos o plantio de coqueiros, mangueiras e outras árvores frutíferas. Dentre as pessoas presentes, muitas tiveram a oportunidade de plantar uma árvore. Foi gratificante ver que as outras árvores plantadas meses atrás, se desenvolvem bem e a lavoura de milho e feijão está crescendo e servirá para alimentar pessoas da comunidade no momento mais crítico da estiagem que assola o Sertão Nordestino.
Realizamos visitas nos lares e um culto de adoração a Deus foi realizado na comunidade e durante a programação uma jovem nos contou que o terreiro do Toré (tipo de xangó realizado na região) fechou, já que uma das mulheres que estavam na liderança morreu após ser picada por uma cobra venenosa, por 3 dias recusava ir ao médico alegando ter o corpo fechado.
 Já é possível colher hortaliças orgânicas nas hortas: alface, couve, cenoura, coentro, cebolinha e batata doce! O interessante é que uma das senhoras não sabia que aquelas folhas verdes (couve) eram comestíveis. Ficou surpresa ao observar o preparo da salada com as folhas do couve!
Além do plantio das árvores que foi um momento marcante, também reunimos em torno de 100 pessoas dos sítios da região para entrega de cobertores e confecções doadas por empresários de Santa Cruz do Capibaribe após o culto realizado na Base.
Ao observar que a maior necessidade das famílias é realmente de alimentos, a equipe está lançando uma campanha para arrecadação de cestas básicas que serão doadas para as famílias dos sítios da região.
                       Batismo e aniversÁrio da Igreja Batista
Dias 4 e 5 de agosto celebramos com a comunidade Santa-Cruzense o aniversário de 64 anos da PIB em Santa Cruz do Capibaribe. Tivemos batismo e a presença de muitos irmãos e convidados. A igreja vem experimentando um crescimento considerável nesses anos de dedicação do casal de missionários Ronaldo e Joana que estão a frente da igreja.
O louvor ficou por conta do grupo de homens da igreja Batista de São Domingos e do irmão Abraão.
     CAPACITAÇÃO DE LÍDERES PARA O MINISTÉRIO

Quinta feira dia 16 de Agosto iniciará no II templo da 1ª igreja Batista em Santa Cruz do Capibaribe, uma capacitação para líderes, com vistas a preparação de obreiros para cumprir o Ide em sua Jerusalém, Samaria e até os confins da terra, claro, isso inclui o Sertão Nordestino.
Como missionários parceiros da CEPC Ronaldo e Joana D´arc Henzel que concluíram em 2005 o Cursos no Centro de Treinamento de Missões em São Paulo estará ministrando as aulas.

PARA QUEM DESEJAR ENVIAR UMA OFERTA PARA O CASAL. 
CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - AG: 1038 – OPERAÇÃO 013 – CONTA 9210-1- EM NOME DE JOANA DARC DE MEDEIROS HENZEL CPF: 02815927489 CONTATOS (81) 9278 9315 / 9752 0140 - Email / MSN: ronaldo_joanadarc@hotmail.com.