MISSÕES

Não dizeis vós: ‘Ainda há quatro meses até a colheita? Eu, porém, vos afirmo: erguei os olhos e vede os campos, pois já estão brancos para a colheita. Aquele que ceifa recebe o seu salário e colhe fruto para a vida eterna, e assim se alegram juntos o semeador e o ceifeiro. João 4.35,36.

Não deixe missões ser a história de todo mundo, alguém, qualquer um e ninguém.
Esta é a história de 4 pessoas: todo mundo, alguém, qualquer um e ninguém.
Havia um trabalho importante a ser feito e todo mundo tinha certeza de que alguém o faria.
Qualquer um, poderia tê-lo feito, mas ninguém o fez.
Alguém se zangou porque era um trabalho de todo mundo.
Todo mundo pensou que qualquer um poderia fazê-lo, mas ninguém imaginou que todo mundo deixasse de fazê-lo.
Ao final, todo mundo culpou alguém quando ninguém fez, o que qualquer um poderia ter feito...
Quando tomamos a decisão de atender ao chamado de Deus para vivermos como missionários no Semiárido Nordestino, não sabíamos o que viver como um missionário, significava exatamente. Com o passar do tempo e as experiências vivenciadas aprendemos.
Durante  o período de nossa formação missio teológica, em São Paulo,  pagávamos  as mensalidades com nossas economias. Havia outros missionários experientes que já conheciam a dinâmica de viver de tempo integral no ministério; eram acostumados desafiar pessoas para investirem para ir aos campos. Nós não sabíamos como era viver no campo como um missionário de tempo integral. Por vezes, algum professor  perguntava se tínhamos mantenedores...  Quem bancaria nossos gastos no campo, ETC...  Sentíamos vergonha de dizer que não tínhamos mantenedores, afinal todos os demais tinham algum mantenedor. Durante aquele ano em São Paulo, tinhamos gastos pontuais. 
Ao colocar nossos pés dentro do Motor Home para vir ao Sertão, depois de concluir estudos, não haviam pessoas ou instituições comprometidas com os gastos.  Estávamos acostumados ofertar, nos doar... não a receber. A única certeza latente em nossos corações, era que havíamos sido chamados por Deus, sabíamos para onde mas, não sabíamos como seria pelo caminho. A preparação teórica para atuar na Seara havia terminado, era hora de fazer como Pedro, andar sobre as águas...
Ao longo de 2 anos, parte de nossas despesas eram pagas com o aluguel de um imóvel em Pelotas. Não foi fácil, embora missões seja a única tarefa deixada por Jesus antes da sua ascensão, os cristãos fazem inúmeras outras coisas que Jesus não os mandou fazer, e desprezam a única ordem expressa de Cristo. (Mateus 28: 19,20).
Quando olhamos para o mundo ele está maduro para a ceifa, é quando a história de TODO MUNDO, ALGUÉM, QUALQUER UM e NINGUÉM faz realmente sentido...
Eu não vou, porque ALGUÉM deve ter ido, eu não contribuo, porque TODO MUNDO deve ter contribuído esse mês... QUALQUER um pode ir, porque tem de ser eu?
Se NINGUÉM vai, eu também não vou... Cristãos dizem amar a volta de Jesus, cantam louvores, que por vezes são cheios de palavras vazias...  Muitas vezes não só, não ajudamos os vocacionados a cumprir o IDE, somos parte das fileiras dos que encontram razões para criticá-los.  Jesus aprendeu obediência pelas coisas que sofreu... A humanidade por quem ele deu a vida, por vezes não quer sofrer nada, confundem alegria com felicidade e assim não experimenta o contentamento, por não estar dispostos a deixar tudo,  para seguir o Mestre.

Em 2014 a FAO já alertava para o problema de degradação do solo, e suas implicações.
A degradação da terra irá desencadear uma migração em massa de pelo menos 50 milhões de pessoas e até 700 milhões até 2050, a menos que os humanos parem de esgotar os recursos essenciais à vida, alertaram mais de 100 cientistas nesta segunda-feira (26).
A degradação da terra causada pela agricultura não sustentável, mineração, poluição e expansão das cidades já está minando o bem-estar de cerca de 3,2 bilhões de pessoas - 40% da população global, disseram na primeira avaliação abrangente da saúde da terra.
 Os principais responsáveis pela degradação da terra, segundo a avaliação, foram os "estilos de vida de alto consumo" nos países ricos, e a demanda crescente por produtos nos países em desenvolvimento, alimentada pela renda e pelo crescimento populacional.
"A perda de biodiversidade deverá atingir 38-46% até 2050", disse o relatório, alertando que a Terra está no início de uma sexta extinção em massa - a primeira desde o desaparecimento dos dinossauros, há 65 milhões de anos.
O esgotamento da terra ameaça a segurança alimentar de todos os cidadãos da Terra, e o acesso à água limpa e ao ar respirável, regulados pelo solo e pelas plantas que crescem nele.
Daqui a 30 anos, estima-se que quatro bilhões de pessoas - cerca de 40% da população projetada - viverão em áreas áridas e semi-áridas com baixa produtividade agrícola, disse o relatório. Hoje, esse número é de pouco mais de três bilhões. 

Ciência e Tecnologia
Fonte: Jornal do Brasil - 26/03 às 17h32Disponível em: http://www.jb.com.br/ciencia-e-tecnologia/noticias/2018/03/26/degradacao-dos-solos-afeta-quase-metade-da-populacao-do-planeta/


FAO quer ação global urgente para proteger degradação do solo

A Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) pede ação urgente para melhorar a “saúde” das fontes limitadas de solo no mundo.O objetivo da agência é garantir que gerações futuras tenham comida, água e energia suficientes. A vice-diretora da FAO destacou que o “solo é a base para a produção de alimentos, combustíveis e fibras”.De acordo com Maria Helena Semedo, o ritmo atual da degradação do solo ameaça as necessidades das futuras gerações.Em Roma, representantes de governo e especialistas discutem o assunto na reunião Parceria Global do Solo, num encontro de três dias. Os líderes já apoiaram uma série de medidas para proteger os recursos do solo, por meio de regulamentação adequada e investimentos.Segundo Semedo, países e sociedade civil precisam comprometer-se para colocar o plano em prática. A vice-diretora da FAO afirma que é preciso vontade política e investimentos para “salvar” os solos.
Futuro
Na conferência, foi destacado que 33% (praticamente um terço) do solo mundial sofre degradação de moderada a alta, devido à erosão, diminuição de nutrientes, acidificação, urbanização e poluição química.Com o crescimento da população, que deve passar de 9 bilhões de pessoas em 2050, haverá 60% de aumento na demanda por alimentos, o que só irá sobrecarregar mais ainda os recursos da terra.
Manejo sustentável
A FAO afirma que algumas partes de África e da América do Sul oferecem possibilidades de expansão agrícola. Neste sentido, inovações tecnológicas e políticas precisam incluir comunidades e ensiná-las como proteger os recursos naturais.A agência da ONU acredita ainda que o manejo sustentável do solo também irá gerar um impacto positivo na mudança climática, por meio do sequestro de carbono e na redução de gases de efeito estufa.
* Publicado originalmente no site EcoD.
http://envolverde.cartacapital.com.br/fao-quer-acao-global-urgente-para-proteger-degradacao-solo/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DEIXE SUA MENSAGEM AQUI