quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

O “MARAVILHOSO MUNDO VIRTUAL” E SUAS “REDES SOCIAIS”


Que a rede mundial de computadores é uma maravilha dos tempos pós-modernos, ninguém duvida. A comunicação global e a rápida interação entre os povos é algo devemos a essa revolução chamada internet.
Quando pensamos em “mundo virtual” o que vem a sua mente?
Um mundo de liberdade e possibilidades? A resposta pode ser a chave para desvendar muito sobre nós mesmos... O fato é que o mundo virtual tem fascinado milhões de pessoas no mundo inteiro. Nela é possível até ser outra pessoa... estar sempre belo (a), ser encorajado (a), compreendido (a), e não há limites para as variações. Podemos escolher os amigos, as pessoas com as quais queremos ou não interagir...
Um exemplo disso é a “Second life” que fascina muitos, pessoas inteligentes e antenadas que talvez frustradas com the first life escolhem a segunda vida, ou seja uma “vida virtual, um jogo” onde mudamos nossos pais, amigos, cônjuges, situação financeira, enfim, um paraíso!
As redes sociais são vistas por muitos como a maravilha desse “novo mundo virtual” embora elas nos mantenham conectadas com pessoas que amamos e confiamos, não podemos esquecer que essas redes são também mecanismos de controle social, suas comunidades são uma espécie de curral onde “os animais somos nós”. Os nomes dados as comunidades são geralmente assim... “Eu odeio isso, eu amo aquilo, não suporto tal coisa”. Se pensarmos na disseminação do preconceito e em quantos mal entendidos surgem por causa de comentários em posts ou em fotos, talvez venhamos reavaliar o uso da rede nos dias atuais. Até onde essa constante interação é realmente benéfica ao nosso mundo real? Relatos de pessoas que não consegue mais se relacionar com o mundo real se tornam cada vez mais comuns. Em países como a China onde há clinicas de reabilitação para pessoas viciadas na rede. 40% dos viciados em internet também sofrem de distúrbio de deficiência de atenção e hiperatividade, e têm dificuldades para obedecer às ordens na reabilitação.
"Eles apresentam eficiência de apenas um quarto ou um quinto do normal, em sua vida acadêmica", disse. O vício em internet é um grande problema na China porque 200 milhões de usuários da internet no país têm entre 15 e 35 anos, e muitos deles não exercem autocontrole, de acordo com Tao Ran, diretor da primeira clínica chinesa de reabilitação para viciados na internet.
Há redes e redes e redes, umas servem para que nos balancemos outras existem para nos balançar, só temos que ter cuidado para não ficarmos presos nas "malhas da rede".
Em muitas casas as famílias não sentam mais para uma refeição juntas, em muitos casos porque a vida real perdeu a graça. Que vençamos as malhas da “rede virtual” e nos balancemos na rede da varanda da casa onde a família pode sentar e bater um papo no fim do dia.

Boa semana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DEIXE SUA MENSAGEM AQUI