terça-feira, 3 de maio de 2011

Mateus 17.24-27

E, chegando eles a Cafarnaum, aproximaram-se de Pedro os que cobravam as dracmas, e disseram: O vosso mestre não paga as dracmas?
Disse ele: Sim. E, entrando em casa, Jesus se lhe antecipou, dizendo: Que te parece, Simão? De quem cobram os reis da terra os tributos, ou o censo? Dos seus filhos, ou dos alheios?
Disse-lhe Pedro: Dos alheios. Disse-lhe Jesus: Logo, estão livres os filhos.
Mas, para que os não escandalizemos, vai ao mar, lança o anzol, tira o primeiro peixe que subir, e abrindo-lhe a boca, encontrarás um estáter; toma-o, e dá-o por mim e por ti.
                                       O TESOURO NA BOCA DO PEIXE

1. Como já havia ocorrido outras vezes, Jesus deu uma  instrução muito estranha a Pedro,
mandando-o ir ao mar, lançar o anzol, tirar o primeiro peixe que subisse, abrir a sua boca e
pegar nele um dinheiro – Mat. 17.27:
A. Você já parou para pensar que por mais que Pedro tivesse experiências com as operações
de maravilhas que Jesus fazia, com certeza ele achou essa orientação muito esquisita?
B. Como sempre, Jesus estava ensinando alguma coisa importante aos seus discípulos, e
desta feita Ele estava revelando a Pedro, que apesar de ser o dono do dinheiro, o dinheiro
não estava com Ele:
• Jesus apontou para o lugar vivo onde o dinheiro se encontrava e se movia;
O dinheiro estava lá, na boca do peixe, que precisava ser pescado para que o
dinheiro aparecesse.
Das nossas atitudes e disposição de ânimo, dependem muitas coisas, inclusive o nosso
sucesso ou o nosso fracasso.
O nosso posicionamento em relação à utilização do dinheiro, do poder e da fama, determina
se Deus pode confiar-nos uma vida de prosperidade, ou seja, transformar-nos em “seus peixes com tesouros na boca”.
Neste texto bíblico, Jesus se posicionou diante dos impostos a serem pagos, que eram
distintos dos dízimos e das ofertas. Pedro sentiu-se cobrado a pagar os impostos e foi falar
com o Mestre, num sentido de reclamação.
Há muita cobrança no meio do povo de Deus, em todos os sentidos, e muitos crentes,
infelizmente, se colocam no papel de cobradores. Outros mais incautos espiritualizam tudo,
inclusive os bens, obviamente materiais, necessários ao funcionamento da igreja:
 Dizem que não há necessidade de construções nem de investimentos, porque tudo ficará
para o anticristo;
 Esquecem-se de espiritualizar suas casas, os carros, os dólares, e tudo o mais de bom que possuem;
 O que de fato querem dizer é:
• “A mim, todos os tesouros; a Deus, todas as simplicidades, sobras e misérias”.
 Podemos adequar uma fala às suas ações:
• “Sou um peixe com um tesouro na boca, mas não abro a boca de jeito nenhum”.
 A PRONTIDÃO DO POVO EM TRAZER OFERENDAS – Ex 35.20-2
 De homens a mulheres, todos estavam no mesmo espírito e com a mesma disposição de ânimo: oferecer o que possuíam de melhor – v. 22:
A. Você tem a mesma disposição de coração?
B. Eles ofereceram “oferta de ouro” ao Senhor, ou seja, as suas preciosidades;
C. Há crentes que trazem os seus restos e os seus “lixos” para ofertarem ao Senhor:
• As sobras da reforma da casa;
• Sapato furado, roupa rasgada, geladeira quebrada, computador que não funciona,
mesa quebrada ou do tempo de “Cabral”;
• Há também o lixo da murmuração. Em vez de quererem ser servos, querem ser
Moisés. Em vez de serem ovelhas, pastor. Em vez de liderados, querem liderar.
D. O povo tomado pelo espírito de sabedoria trouxe sua melhor oferta para o Senhor, porque sabia que Deus queria o melhor:
• Quando oferecemos o que há de melhor, semeamos em Deus a semente de excelente qualidade;
• Portanto Deus nos dará uma colheita de excelência;
• Esta lição precisa ser praticada: quando damos o nosso melhor para Deus, Deus dá o seu melhor para nós.
As mulheres também foram impactadas pelo poder da Palavra proferida por Moisés e os seus corações se moveram pelo espírito de sabedoria. Elas se recusaram a ficar fora desse grande projeto de deus, e mostraram que também podiam ser  “peixes com tesouros na boca” – v. 25,26: Colocaram as suas mãos e os seus talentos a serviço de Deus;
Nos dias de hoje as mulheres têm grandes oportunidades de ocuparem os espaços que
Deus lhes têm destinado, não somente nos segmentos pessoais, profissionais, mas também
ministeriais;
O momento é oportuno para as mulheres colocarem as suas mãos a serviço do Rei e
demonstrarem que também são “peixes com tesouros na boca”, numa forte declaração deque também desejam ser participantes da Obra do Senhor;
É tempo de mulheres sábias e não de mulheres linguarudas, fofoqueiras, intrigueiras,
medíocres, “Maria vai com as outras”;
• Infelizmente tem muito homem que se parece com este tipo de mulher;
• Envenena-se pelo que ouve ou envenena quem o ouve;
• Não sabe guardar o coração do mal e deixa-o cheio de lixo. Coração podre e envenenado;
• Você acha que Deus vai mudar os Seus planos por causa deles? As trajetórias de
Suas revelações seriam alteradas por causa de alguém?
• Se necessário for, Deus move qualquer um do seu lugar e coloca um outro que
possui um “coração disposto”

Precisamos compreender que estamos na Terra de passagem e que somos apenas peregrinos.
Sobre a abundância Deus deseja nos estabelecer, colocar “tesouros na boca dos seus peixes”, não para que sejamos possuidores, mas mordomos dessas riquezas. Porém, Ele prova os
nossos corações, para que saibamos agradá-lo com a  nossa sinceridade, disponibilidade e
voluntariedade – v. 15-17.
 Fragmento do estudo do Pr. Josué Gomes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DEIXE SUA MENSAGEM AQUI