sexta-feira, 8 de outubro de 2010

MAIS UM CAPITULO DO CORONELISMO NORDESTINO NA PÓS MODERNIDADE

"Nós não vamos nos render a pressão de nehum cacique"
dessabafou Barôl Neves (FOTO)
"As notícias confimaram quem estava mentindo, hoje Santa Cruz sabe que a gente só falou a verdade" afirmou Hamilton França.
Vereador Ernesto Maia irá responder na Justiça
pelas mentiras dita na 101-FM
José Augusto também será processado pelo Patrulha
A Equipe do Patrulha do Agreste vem esclarecer alguns acontecimentos envolvendo os nomes de alguns de nossos profissionais, algumas personalidades de Santa Cruz do Capibaribe fizeram vários comentários denegrindo a imagem de nossa equipe, um dos episódios foi protagonizado pelo o vereador Ernesto Maia e seu tio José Augusto Maia ex-prefeito de Santa Cruz do Capibaribe e candidato a Deputado Federal. Incomodados com a divulgação das informações veículadas no Programa Patrulha do Agreste que vai ao Ar pela Emissora de Rádio 101 FM, sobre a questão dos candidatos “Ficha Suja” o qual envolve o nome do ex-prefeito Zé Augusto, os “Maias” em ato de irresponsabilidade e desespero, colocaram vários caros de som pelas Ruas de Santa Cruz e São Domingos distrito de Brejo da Madre de Deus afirmando que as matérias seriam mentirosas e que os Radialistas Bartôl Neves e Hamilton França teriam recebido dinheiro do então candidato Diogo Moraes para divulgarem as informações, não satisfeitos os Maias foram até a Emissora de Rádio 101 FM e comentaram diversos absurdos já que o vereador não poderia falar nada que beneficiasse o seu tio já que o mesmo era candidato a Deputado Federal e o ato de publicidade a favor ou contra qualquer candidato estava proibido, até porque o pronunciamento se deu no sábado dia 02 de Outubro e a Justiça Eleitoral só permite a divulgação de candidatos até o dia 30 de Setembro. Em seu “direito de resposta” o vereador afirmou por várias vezes que estava representando seu tio José Augusto Maia, falou ainda que as informações que candidatura de seu tio estava sub judice eram informações caluniosas, manipuladas e vendidas. O vereador chegou ao ponto absurdo de afirmar que a família Moraes teria pago um valor alto para que essas informações fossem divulgadas. “ Nós ficamos tristes de se usar jogo sujo, jogar notícias mentirosas, notícias inverídicas. Bartôl está aqui lendo uma notícia na frente do Juiz e incluir dizendo que aquela notícia era com os candidatos que foram indeferidos no TRE, isso é um deboche com a Justiça. Nós sabemos que ele tem suas preferências e está ganhando pra isso, mas não pode jogar sujo dessa forma. Acabei de ser informado que o Patrulha 1ª Edição a parti de segunda -feira está rifado (fora do Ar) da programação da 101, e que os advogados da 101 estarão entrando com uma quebra de contrato em relação ao Patrulha 2ª Edição” concluiu Ernesto Maia.
Na manhã desta segunda – feira (04) Ernesto Maia foi desmentido pela equipe do Patrulha do Agreste já que o Programa não saiu da Ar como afirmou de maneira mentirosa o vereador, nossos Produtores estarão entrando na Justiça contra o Vereador e o ex-prefeito já que não foi só na Emissora que ambos caluniaram os radialistas, mas também em dezenas de carros de som. Os advogados do Programa Dr. Klinger Dantas, Dr. Marcelinho e Dr. Neydson já estão reunindo provas para processar os Maias,
Só pra lembrar aos ouvintes, estamos sim no Ar desde segunda-feira (04) nos dois horários das 07h. às 08h. e dás 11:30h. às 13h. Nós que fazemos o Patrulha do Agreste viemos de público lamentar os episódios de constrangimentos que nossos ouvintes foram obrigados a passar por conta das mentiras ditas e afirmadas pelos Maias, entendemos que era desespero de José Augusto o de seu sobrinho Ernesto Maia, já que os mesmos também sabiam da realidade, que as informações eram verdadeiras tanto eram que se confirmaram e até hoje Zé Augusto espera o resultado da Justiça. Momento de desespero sim, mas nós não podemos nos calar diante da verdade pois nenhum “cacique político” vai calar a VOZ DO POVO, pois há mais de nove anos que estamos no Ar tentamos trazer a verdade dos fatos “Doa a quem doer”.
Em nossa cidade estamos vivendo ouros tempos, já se foram os tempos em tínhamos apenas uma Emissora em que “seu fulano” mandava ou deixava de mandar, hoje são várias Emissoras de Rádio, Jornais, Revistas e Blog’s, os político têm que entender que se fizer errado o povo vai saber essa é nossa obrigação como Imprensa, políticos Honestos não tentam coagir profissionais de comunicação pois não somos obrigados a compactuar com irregularidades de seu ninguém “Não quer que a notícia seja divulgada, não deixe que o fato aconteça”!
FONTE patrulhadoagreste.blogspot.com
imagens da internet

segunda-feira, 4 de outubro de 2010

CONHEÇA A NOVA CARTEIRA DE IDENTIDADE BRASILEIRA

SÃO PAULO - Até o fim deste ano, os brasileiros passarão a ser identificados com um novo número de identidade, o Registro de Identificação Civil (RIC).
O novo documento tem o objetivo de unificar as bases de cadastros de cidadãos, que atualmente é separada por unidade federativa e, assim, permite que uma mesma pessoa tenha até 27 números de Registro Geral (RG) diferentes. Do ponto de vista da segurança, a grande mudança está na tecnologia envolvida na confecção do novo documento, que se assemelhará a um cartão de crédito.
Previsto por lei desde 1997, o projeto de criação do RIC deu o último passo para sair do papel na semana passada, com a publicação do decreto que regulamenta a lei. A ideia é que o novo documento, além de substituir o RG, fique vinculado ao Cadastro de Pessoas Físicas (CPF), ao título de eleitor, à Carteira Nacional de Habilitação (CNH), entre ouros documentos, para que o mesmo número identifique os brasileiros diante das diversas situações que hoje exigem novos cadastros.
O presidente do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI), Renato Martini explica que as especificações técnicas do novo documento ainda não estão totalmente definidas, já que dependem do crivo do Comitê Gestor de Registro de Identificação Civil, instituído no dia 6 de maio e que começa a se reunir neste mês.
Alguns elementos, entretanto, já se pode dizer que estarão no RIC por estarem de acordo com padrões internacionais de sistemas de identificação. Com base nesses padrões, o ITI, em parceria com o Instituto Nacional de Identificação (INI) e o Instituto Nacional de Criminalística (INC) desenvolveram um protótipo, apresentado à sociedade há dois anos.
CLICK AQUI LEIA NA FONTE
AGORA VEJA ESSE VÍDEO E TIRE SUAS CONCLUSÃOS

IDENTIDADE ÚNICA PODE SAIR DO PAPEL DURANTE O GOVERNO DE LULA

Você usa cartão de crédito? Tem celular? Navega na Internet? Usa um seguro médico privado? O prédio onde mora tem câmeras de vigilância? Faz parte de algum clube de compras que usa cartões com chip embutido? Bem, se você respondeu sim a alguma destas perguntas, sua privacidade está sendo invadida, legal ou ilegalmente, sem que você perceba. É resultado de um movimento mundial, aparentemente sem volta, que restringe cada vez mais nosso direito à privacidade toda vez que as chamadas tecnologias da informação são aperfeiçoadas. Mas, mesmo que tenha dito não a todas as questões, você que é brasileiro está prestes a sofrer a mais perigosa das invasões de privacidade. E o autor desta façanha é ninguém menos que o governo que você próprio sustenta com uma carga pesada de impostos. Já está na mesa do chefe da Casa Civil da Presidência da República a Lei nº 9.454, aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo presidente Fernando Henrique Cardoso no dia 7 de abril de 1997. Ela institui o número único de registro civil de identidade, que vai substituir todos os seus documentos pessoais, sem exceção. Para entrar em vigor, falta apenas ser regulamentada – basicamente, abrir licitação para escolher o fabricante do cartão. O que deve acontecer em breve se o governo tiver como bancar uma operação que custará mais de US$ 900 milhões. A partir de então, os brasileiros poderão jogar fora todos os outros 21 documentos que guardam na gaveta ou no bolso. O número único vai servir como identidade tanto para a Receita Federal quanto para a Previdência. Também como licença para dirigir, documento para abrir conta bancária ou exercer seu direito de voto. Parece interessante e prático, não é mesmo? Só que tal instrumento de identificação obrigatória dá ao Estado e seus gestores um poder extraordinário de controlar e ameaçar a vida de cada cidadão. Nada vai impedir, por exemplo, que o Fisco confronte sua declaração de renda com sua ficha médica ou conta de cartão de crédito, ou que uma companhia de seguros avalie seu risco pessoal com seu histórico médico. Tudo estará vinculado a um número só.  Isso te lembra alguma coisa? Calma não sou radical, pode usar sua nova identidade, mas SAIBA que ela será substituida pelo biochip debaixo de pele é só uma questão de tempo...
  A todos, os pequenos e os grandes, os ricos e os pobres, os livres e os escravos, faz que lhes seja dada certa marca sobre a mão direita ou sobre a fronte,
  para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tem a marca, o nome da besta ou o número do seu nome Apocalipse 13: 16,17
Pior: informações erradas ou imprecisas podem espalhar-se rapidamente pela rede que interligará todos os bancos de dados que guardam partes distintas de sua vida pessoal ou profissional. Para se ter uma noção da periculosidade dessa idéia, quando foi proposta na Austrália há mais de dez anos, o governo de lá foi derrubado por insistir na sua implementação.

Como destacou a revista britânica The Economist em recente matéria de capa, “as novas tecnologias da informação oferecem imensos benefícios – alta produtividade, mais prevenção ao crime, melhora no atendimento médico, diversão interativa, conveniências burocráticas. Mas vêm com um preço alto: menos e menos privacidade. Quando colocam em uso essas tecnologias, governos e companhias privadas repetem à exaustão o belo e convincente discurso sobre os benefícios que elas trazem. Mas e a privacidade onde fica? A resposta geralmente cai no mesmo bordão: “Quem não deve não teme.” A verdade não é tão simples assim. “A maioria das pessoas concorda em dar alguma informação sobre elas mesmas para poder votar, trabalhar, comprar, fechar um negócio, sociabilizar ou mesmo emprestar um livro de uma biblioteca. Mas exercer o controle sobre quem sabe o que sobre sua vida também tem sido uma característica essencial de uma sociedade civilizada”, defende a The Economist. E essa é justamente a razão para temer o poder que um governo terá com a posse de tamanho banco de dados unificado de todos os cidadãos. Uma idéia que remete ao “Grande Irmão”, que observa a tudo e a todos no clássico de de George Orwell, 1984.
A invasão pode ser consentida ou não. Há os que se mostram em programas de tevê Outros usam grampos para espionar (centro). Mas a pior de todas é a invasão estatal, denunciada por George Orwell no livro 1984
Repúdio – Em todos os países democráticos em que a idéia do número único foi proposta, acabou rejeitada diante dessa perspectiva tenebrosa da ampliação do controle estatal – e do vazamento para o setor privado. Nos EUA, isso aconteceu ainda nos anos 60, quando órgãos do governo quiseram tornar o número do seguro social um documento único para todos os fins. Já naquela época, temia-se o poder invasivo e manipulador da privacidade que a computação daria ao Estado e à iniciativa privada. Alan Westin, então um respeitado jurista, chegou a escrever um livro sobre o assunto, Privacy and freedom, de 1967. A obra foi resultado de discussões de uma comissão bancada pela American Bar Association (a Ordem dos Advogados de lá). Nele, Westin diz: “A ameaça à privacidade nasce de artefatos que não são nada estranhos à sociedade: microfones, gravadores portáteis, câmeras de alta resolução e registros eletrônicos governamentais.” Não é de se estranhar, portanto, que 30 anos mais tarde o brasileiro seja obrigado a se deixar fotografar, ter sua identidade fotocopiada e contar um pouco de sua intimidade – telefone, endereço, etc. – para só depois ser autorizado a entrar em prédios comerciais nas grandes capitais.
Sem o direito de tapar os olhos curiosos e inoportunos tanto do governo quanto do resto da sociedade, o cidadão acaba perdendo também outras liberdades políticas e civis. Hoje, segundo os especialistas, a maioria das pessoas nas sociedades ricas assume que, desde que obedeçam à lei, tem o direito de desfrutar a privacidade tanto quanto quiser. “Elas estão erradas”, avalia a The Economist. Apesar de todas as leis, tratados e direitos constitucionais, a privacidade tem sido erodida há décadas. Tal tendência, hoje, parece estar se acelerando bastante. Talvez a dificuldade esteja em definir o que seja privacidade. Segundo o estudo de Westin, “o desejo de privacidade é pouco entendido, embora muito valorizado”. O conceito, no rigor técnico, tem ingredientes filosóficos, alguma coisa semântica e muita dose passional. Diz Westin: privacidade é desejo de indivíduos, grupos ou instituições de determinar para si mesmos quando, como e que tipo de informação sobre eles mesmos pode ser revelado a outros. Visto em termos da relação de um único indivíduo com a sociedade, seria o afastamento, o retiro voluntário e temporário, seja através de um meio físico ou mesmo espiritual. Pode também ser uma condição de anonimato ou reserva. No entanto, a privacidade nunca é absoluta, já que existe na natureza humana uma vontade, às vezes irresistível, de participar do coletivo, de aparecer perante os outros – lembre-se dos que fazem questão de mostrar em vídeo o parto de seus filhos. Assim, concluem os sociólogos, cada pessoa está continuamente engajada num processo de ajuste íntimo, no qual balançam os desejos de privacidade com o de publicidade. É normal, portanto, que haja confusão e mesmo choque diante de uma invasão inesperada.
Me deixem sóA causa desse choque, o desenvolvimento tecnológico, é a mesma que tornou famosa uma frase de protesto do juiz da Suprema Corte dos EUA, Louis Brandeis, ainda nos idos de 1890 “todos têm o direito de ficar sozinhos”. Há mais de um século, a ameaça estava na recém-desenvolvida fotografia e no barateamento da impressão. Hoje, está no poder de processamento do computador. O que assusta é a capacidade de se obter e disseminar eletronicamente qualquer informação sobre qualquer pessoa. Será que nesse passo teremos alguma privacidade para proteger dentro de 20 anos?
Aí vem a pergunta: se em outros países a reação e a oposição a esse número único foram tão fortes, por que aqui nem sequer se debateu publicamente a idéia? Segundo o senador Pedro Simon (PMDB-RS), autor do projeto que virou lei, “ninguém se opôs à idéia”. No entanto, consta dos anais da Câmara discurso feito em 1977 pelo então deputado José Roberto Faria Lima, alertando já naquele tempo para os riscos de uma lei como essa. “Alemanha, França, Itália, EUA, Japão, Austrália e Inglaterra disseram não a essa tese”, declarou o político em discurso no plenário. “O preço da otimização administrativa seria muito caro: a liberdade do cidadão e o sacrifício da democracia”, repete ele hoje. Mas, mesmo confrontado com essa forte reação observada lá fora, o senador Simon é categórico na sua defesa: “Só os ultraliberais é que são contra, mas a verdade é que quem não deve não teme”, diz ele. E amplia sua justificativa com o argumento de que, se essa identidade única já existisse, “não haveria laranjas enviando dólares ilegalmente ao Exterior”.
Encontrei essa matéria navegando po aí...

ENTENDA O PERIGO DO PDH3 E AS PRIORIDADES DO GOVERNO LULA

A "democracia" e "liberdade de expressão" a nova questão de saúde pública do governo Lula
Agora o PNDH3 está mais light, o aborto é considerado questão de saúde publica,   (ABORTO É UM CRIME CONTRA UM SER HUMANO INDEFESO E VIVO) enquanto pacientes com mal de Parkinson até poucos meses não tinham direito a uma cirurgia paga pelo SUS.
O ABORTO PODERÁ SER REALIZADO SEM FILA DE ESPERA. DUVIDAM?
Hoje um único hospital em nosso país todo faz a cirurgia, vocês imaginam que a fila de espera não deve existir!
Assista ao vídeo sobre o assunto no you tube
ASSISTA SOBRE O HOSPITAL QUE FAZ A CIRURGIA EM SÃO PAULO
O presidente Luiz Inácio Lula da Silva autorizou a modificação de pontos polêmicos do Programa Nacional de Direitos Humanos PNDH-3. A nova versão do decreto foi publicada no Diário oficial da União desta quinta-feira, 13. O governo não defende mais o apoio a descriminalização do aborto, o novo decreto passa a considerá-lo como questão de saúde pública. O uso de Símbolos Religiosos em repartições públicas federais, não será impedido como estava previsto. Também foi suprimido o artigo que previa a regulação dos meios de comunicação, com a aplicação de multas e outras penalidades. Em relação a ocupação de áreas rurais e urbanas foi excluída a proposta de audiência prévia nos processos de reintegração de terras ocupadas.
A nova versão do PNDH-3, não faz duas referências diretas à ditadura militar. Foram modificadas a parte que tratava da produção de material didático-pedagógico sobre o regime de 1964-1985 e "a resistência popular à repressão". A nova redação também não mais propõe "identificar e sinalizar locais públicos que serviram à repressão ditatorial".
LEIA NO SITE DA BBC E ENTENDA PDH 3