segunda-feira, 6 de setembro de 2010

ÍNDICE DE ASSASSINATOS NO PAÍS TEVE POUCA VARIAÇÃO EM 10 ANOS
Crimes migraram das capitais para o interior
                                                           Edson Luiz
Em 10 anos, o país perdeu diariamente 140 pessoas assassinadas. Ou 512 mil homicídios, entre 1997 e 2007, segundo o levantamento Mapa da Violência, divulgado ontem pelo Instituto Sangari, que traz uma série de dados preocupantes. O relatório mostra uma migração dos casos de homicídios das capitais e regiões metropolitanas para o interior do país. Em 1997, eram 13,5 assassinatos para cada 100 mil pessoas, enquanto em 2007, o número subiu para 18,5 crimes. A explicação dada pelo sociólogo Julio Jacobo Waiselfisz, autor do mapa, é que muitas dessas cidades do interior atraíram investimentos e geração de empregos e renda. Com isso, se tornaram atraentes para a criminalidade. Além disso, conforme o estudo, as capitais e as regiões metropolitanas receberam tratamento prioritário do novo Plano Nacional de Segurança Pública e do Fundo Nacional de Segurança.
“Foram canalizados recursos federais e estaduais principalmente para aparelhamento dos sistemas de segurança pública nos grandes conglomerados. Isso dificultou a ação da criminalidade organizada, que migrou para as áreas de menor risco, justamente o interior dos estados”, diz o relatório. Com isso, São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, por exemplo, tiveram uma redução significativa dos homicídios. Nos três estados estão concentrados 41% da população brasileira e 55% dos crimes de mortes ocorridos em uma década. “Torna-se óbvio que qualquer alteração nesses estados, pelo seu peso, terá visível repercussão nas taxas nacionais”, diagnostica o documento.
Com os resultados dos três estados e uma freada nos casos de homicídio em Pernambuco, Espírito Santo, Rondônia e Acre e do crescimento nos casos no Maranhão, Alagoas e Piauí, os números gerais do Brasil permaneceram praticamente inalterados em 10 anos. Em 1997, foram 24,5 homicídios para cada 100 mil pessoas, enquanto em 2007 registrou-se 25,2 casos. Nas regiões metropolitanas e nas capitais houve uma queda considerável — 25% no primeiro caso e 19,8% no segundo. As explicações, de acordo com o relatório, foram a Campanha e o Estatuto do Desarmamento, que entraram em vigor no final de 2003.
Mas o documento trouxe uma preocupação que aumenta a cada dia: o crescimento dos homicídios entre jovens, Em 1980 eram 30 casos para cada 100 mil habitantes, crescendo para 50,1 crimes em 2007. “Assim, pode-se afirmar que a história recente da violência que resulta em homicídio, no Brasil, é a história do crescimento dessa violência entre jovens. Uma não terá solução sem a outra”, afirma Waiselfisz. O Mapa da Violência observa que, apesar haver uma estagnação na faixa etária entre 15 a 24 anos, existe uma forte tendência de elevação no futuro.
Guerras
O levantamento mostra ainda que as principais vítimas de homicídio no Brasil são os homens: 90% dos casos, mas o número de mulheres assassinadas também é grande. Em quatro anos — de 2001 a 2004 — cerca de 19,4 mil mulheres foram mortas. Houve ainda crescimento de vítimas negras, cujos índices aumentaram 21 % em relação a períodos anteriores. O relatório foi feito baseado em dados do Subsistema de Informações de Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde; do Sistema de Informação Estatística da Organização Mundial de Saúde.
De 1997 a 2007, vários crimes de grande repercussão marcaram o cotidiano brasileiro. Com isso, o número de mortes supera o total de vítimas das guerras da Chechênia, Guatemala e El Salvador. O Rio, apesar de apresentar índices satisfatórios de queda, registrou pelo menos 1.260 mortes em confrontos entre criminosos e policiais. No Complexo do Alemão, em junho de 2007, foram mortas 19 pessoas em 10 horas de tiroteio.
Alto e constante
Dados de uma pesquisa nacional realizada entre 1997 e 2007 no país mostram que Pernambuco foi o estado do Nordeste que apresentou menor crescimento de homicídios em 10 anos: as mortes violentas aumentaram uma média de 6,8% contra 53,3% da região. Mas ainda não existem motivos para comemorar, segundo o sociólogo Júlio Jacobo Waiselfisz, autor do estudo Mapa da Violência. De acordo com o pesquisador, o resultado mostra que, apesar de os índices não terem crescido como em outros estados, permaneceram altos e constantes. A análise revela que o estado passou uma década sem mudar a posição no ranking e ficou novamente na 3ª colocação de mais violento do país.
Júlio Jacobo pondera que os números devem servir de norte para elaboração de políticas públicas, não só por mostrar um panorama não dos estados, como de todas as regiões metropolitanas e municípios do interior. Ele compara índices, explicando que Alagoas e Maranhão ostentaram uma média de crescimento de 147,3% e 188,4% em dez anos, mas frisa que Pernambuco permaneceu sem mudanças substanciais. “As taxas de Pernambuco permaneceram constantes. Você observa, por exemplo, que Alagoas aumentou demais: o índice de homicídios por 100 mil habitantes era 24,1 em 1997 e pulou para 59,6, ou seja, mais que o dobro. Mas Pernambuco já era alto. Em 1997, a taxa por 100 mil habitantes era de 49,7, a maior do Nordeste”.
FONTE IMPARCIAL ON LINE
Exemplos  de crimes bárbaros em Pernambuco em 2010
Crime bárbaro é esclarecido e assassinos são presos


DHPP esclarece triplo homicídio e prende os acusados
Os assassinos foram presos menos de 24h. depois do crime
Foram apresentados na tarde desta segunda-feira, na Delegacia Regional de Polícia (Derepol), em Caruaru, os três homens acusados do triplo homicídio no município de Panelas, na madrugada de sábado (21). As investigações apontam José Marcelo da Silva, 44 anos, e os sobrinhos Wellington Quitério do Nascimento, 27 anos, e Antônio Magno do Nascimento, 26, como autores do crime.
Maria José da Soledade, 19 anos, conhecida como Marcinha; Jaqueline Luciana da Silva, 15; e a terceira vítima conhecida por “Besouro”, moravam em Quipapá. Elas foram estupradas e tiveram os corpos parcialmente carbonizados. As jovens estavam em um churrasquinho e foram arrastadas até o local do crime, uma estrada do Sítio Amolar.
O delegado Bruno Vital informou que os três são acusados de outros crimes em Quipapá. Segundo o delegado, eles teriam admitido relacionamento com uma das vítimas.
Ainda de acordo com a polícia, o triplo homicídio foi motivado por ciúmes e porque as jovens sabiam das atividades criminosas dos acusados. Eles foram encaminhados ao Presídio de Palmares.
Fonte: Portal de Rádio Liberdade
Polícia prende casal de assassinos que matou menor em Santa Cruz do Capibaribe

Em menos de seis horas depois que a polícia encontrou o corpo do menor Marcos Vinícius de Souza Truta “Tatu” de 14 anos, os acusados foram presos na cidade de Pesqueira. Policiais do Serviço de Inteligência da 3ª CIPM e uma equipe de policiais civis comandada pelo Delegado Dr. Márcio Cruz, titular de Santa Cruz do Capibaribe seguiu até Pesqueira onde conseguiu prender Guilherme Lúcio da Silva de 24 anos e sua companheira Elza Brito de Oliveira de 22 anos, os mesmos fugiram no dia seguinte após o crime, segundo Dr. Márcio Cruz, Guilherme matou o menor para poder tomar 20 pedras de crack. Nossa equipe conversou com o acusado e o mesmo confessou ter matado Tatu por conta das drogas, “Eu tava devendo duas pedras a ele, então chamei Tatu para ir até minha residência dizendo que iria comprar mais pedras, quando ele chegou ai eu mandei ele entrar e depois dei uma “gravata” nele e depois bati na cabeça dele com uma garrafa de vidro, em seguida enforquei ele com minha camisa” declarou o assassino. Elza companheira de Guilherme negou qualquer participação no crime “Eu fiquei o tempo todo dentro do quarto e ele matou esse rapaz”, afirmou Elza. Dr. Márcio declarou em uma entrevista exclusiva para nossa equipe que os dois são culpados, “Tanto o Guilherme, quanto Elza são culpados,
os dois mataram e ocultaram o cadáver do menor em baixo do estofado, fato que merece destaque é a frieza do casal, eles mataram o jovem e esconderam o corpo na noite da quarta-feira (01) e foram dormir como se não tivesse acontecido e na manhã da quinta-feira (02) fugiram para a caso do Guilherme em Pesqueira onde foram presos em menos de seis horas depois que o cadáver foi encontrado” concluiu o delegado. O casal será levado para o presídio ainda hoje.
Quem vive no interior de Pernambuco sabe que esses são apenas exemplos, pois, crimes assim são comuns; é só acessar o blog abaixo para perceber que a morte por aqui é "espetáculo".
FONTE http://patrulhadoagreste.blogspot.com/2010_08_15_archive.html
Fotos Bartôl Neves
Salmo 122: 6 - Orai pela paz de Jerusalém; prosperarão aqueles que te amam.
Devemos orar pela cidade que vivemos para que haja paz no lugar onde vivemos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DEIXE SUA MENSAGEM AQUI